SANTO VIVO - ESTUDOS BÍBLICOS
A Maior Expressão de Adoração

A MAIOR EXPRESSÃO DE ADORAÇÃO


Nas expressões de adoração que utilizamos em nossos cultos coletivos para como igreja, exaltarmos ao nosso Criador, encontramos a possível exteriorização dos nossos sentimentos para com a pessoa de Deus, assim como do nosso entendimento de quem Ele realmente é.

Quando introduzo a palavra "possível", é porque pode-se praticar uma expressão de adoração a Deus quando o sentimento real do coração não é este. Aliás, isso foi muito combatido pelo Senhor Jesus em relação aos escribas e fariseus, chamando-os de hipócritas. Pode-se também praticar qualquer das expressões sem o entendimento devido do seu significado, a exemplo daqueles que sofrem do efeito ‘macaco-papagaio', ou seja, gesticulam meramente imitando e falam meramente repetindo.

Na passagem mais preciosa do Novo Testamento sobre adoração, Jesus nos ensina o resumo dos elementos que devem estar presentes na nossa adoração cotidiana: “em espírito e em verdade”. Tentando traduzir melhor, sentimento e entendimento. É interessante notar também que tal ensino não acontece na sinagoga e sim à beira de um poço, e que, quem está por lá não são os “do clero” e sim uma mulher da escória da sociedade da época, trazendo-nos a idéia de que o ensino do capítulo 4 do evangelho de João tem a ver com algo que é para o dia-a-dia, o cotidiano das pessoas comuns, inclusive o clero.

E é essa adoração em tudo o que fazemos, seja comer, beber ou qualquer outra coisa que irá inspirar e motivar a nossa adoração coletiva fruto de um conjunto de experiências pessoais vividas com o Senhor Jesus e de um conhecimento cada vez mais racional de quem Ele é. Tudo isso deve estar fazendo parte não de um equilíbrio, que para acontecer exige a retirada de partes, mas de uma temperança, que aglutina todos os temperos em uma só panela.

Muitas das expressões de adoração estão mencionadas na Bíblia, tais como, o cantar, o acompanhamento de instrumentos musicais, o levantar das mãos, gritos de júbilo, o ofertar, o aplaudir, a oração, o prostrar-se, o dançar. Isso não significa que todas tenham de acontecer em um mesmo momento. Também não significa que a exemplo de uma receita de bolo, onde a falta de um ingrediente afeta o resultado final, algumas das expressões não possam deixar de ser utilizadas no culto.

Há também a questão cultural, que varia no tempo e no espaço. No nosso próprio contexto de Brasil, há pouco tempo a dança, assim como alguns instrumentos musicais que não eram aceitos no de culto, hoje são. Porém, ainda há os casos de comunidades que possuem um contexto cultural diferenciado, o que deve ser respeitado.

Há aquelas expressões de adoração que apesar de não mencionadas na Bíblia, são aceitas em determinados contextos como possível exteriorização de um sentimento genuíno. É o caso, por exemplo, do assovio, utilizado normalmente juntamente com aplausos em momentos de euforia na celebração. É claro que qualquer das expressões de adoração, dentre as mencionadas na Bíblia ou não, têm que ser exercitadas com ordem e decência. Mas os nossos conceitos sobre ordem e decência também podem divergir, e aí? Tudo isso pode gerar muita confusão e divisão se não encararmos como pertinente às nossas culturas, que, repito, variam no tempo e no espaço, seja de país para país, ou de comunidade para comunidade.

Mas, será que assovios podem ser considerados expressões de adoração e aceitos em nossos cultos? Será que pulos ao ritmo das músicas o são? É certo que cada um de nós possui uma história singular, equações de características temperamentais diversas. Preferências e reações as mais variadas, inclusive em relação aos momentos da vida.

Glória a Deus por isso! É como uma torcida de futebol, todos torcem pelo mesmo time, mas reagem de formas diferenciadas ao externar a sua alegria no momento do gol. O nosso Criador, além de extremamente criativo, é aquele que conhece os corações, os sentimentos e as motivações.

Há bem pouco tempo discutíamos sobre o uso da bateria nos ‘templos', ou de aplausos em certas reuniões, ou sobre o reconhecimento da dança como expressão de adoração. E talvez tais discussões ainda estejam bem presentes no nosso meio.

O fato é que continuamos discutindo e, possivelmente, em nome de uma autêntica expressão de adoração, deixando de adorar a Deus com a maior das expressões que pode existir, o amor. Quantas vezes ao longo da história as discussões tornaram-se mais importantes do que os seus próprios debatedores, gerando pontos de vista firmados, porém relacionamentos quebrados.

Pensar em expressar adoração a Deus não pode apenas envolver uma verticalidade egoísta e sim o acréscimo de um sentido horizontal na direção do irmão. Paulo inicia o capítulo 14 de Romanos orientando-nos a acolher o irmão, mesmo não tendo ele a nossa opinião, e conclui o assunto no capítulo 15 dizendo: “Portanto, aceitem uns aos outros para a glória de Deus, assim como Cristo aceitou vocês...”

Se continuarmos o texto veremos que o objetivo final era: a exemplo de Cristo, que se tornou servo dos judeus, “para fazer com que os não judeus louvassem a Deus pela sua bondade”, que partamos em direção do nosso irmão que pensa igual ou diferente seja qual for à temática, inclusive a forma de louvar, com o intuito de que a grandeza de Deus seja vista, ou seja, para a glória de Deus.

Quando vislumbramos a grandeza de Deus não há como não adorá-Lo. Assim acontece quando contemplamos os céus, que sem palavras exibe Sua grandeza. Assim pode acontecer conosco se, além de expressarmos louvor a Deus talvez cantando, tocando, erguendo as mãos, gritando, ofertando, aplaudindo, orando, prostrando, dançando, ou mesmo pulando ou assoviando, nós simplesmente amarmos. Celso, filósofo romano anticristão do segundo século, teve de admitir relutantemente: “Veja como se amam esses cristãos”.

Além de um testemunho para os que não conhecem a Cristo, amar implica numa decisão. Assim como no relacionamento entre marido e mulher podemos decidir edificar ou manipular, o mesmo acontece em relação ao nosso irmão. A Bíblia nos ensina que os dons existem para a edificação da igreja. Mas quem é a igreja, senão o nosso irmão? E servir à igreja é abençoar ao irmão, mais do que a instituições, ou mais do que a nós mesmos, fazendo com que ele cresça inclusive na fé, edificando-o.

Lembremo-nos que pela existência do nosso querido ou não tão querido irmão, está também a nossa possibilidade de exercer de fato uma verdadeira adoração. E já que dentre todos os seres criados pelo próprio Deus para a Sua adoração, o ser humano é o único a quem foi dada a condição de fazê-lo com intencionalidade, podemos decidir, tanto eu quanto você, ter como meta expressar uma genuína adoração a Deus, decidindo amar ao nosso irmão. Como podemos amar a Deus a quem não vemos se não amamos àquele a quem vemos? Da mesma forma, como celebrar a quem não vemos se...

Augusto Guedes

www.santovivo.net


 

FALE CONOSCO/PERGUNTA BÍBLICA

CANAL DE BENÇÃO